Pixel Fórum
Bem vindo ao Pixel Fórum. Se registre-se.
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
» [Tutorial] Sing Animada
Ter Jan 08, 2013 5:32 pm por Dener

» [Tutorial] Efeito C4D
Ter Jan 08, 2013 5:29 pm por Dener

» [Abertura] - Pixel !
Ter Jan 08, 2013 4:56 pm por Dener

» Quebrando as Regras
Ter Jan 08, 2013 4:07 pm por Dener

» [Servidor] Mu - Walkman
Ter Jan 08, 2013 3:57 pm por Dener

» [Distração] O que gosta de fazer
Ter Jan 08, 2013 3:19 pm por VictorV.

» [Servidor] DDtank TB
Ter Jan 08, 2013 2:27 pm por Dener

» Fun.: We Are Young ft. Janelle Monáe
Ter Jan 08, 2013 2:25 pm por Dener

» Validação Inline De Formulário
Ter Jan 08, 2013 10:48 am por 

Top dos mais postadores
VictorV.
 
Dener
 
Kreitos
 
,Burn
 

Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês


Câmara dos EUA aprova proposta para evitar 'abismo fiscal'

Ir em baixo

Câmara dos EUA aprova proposta para evitar 'abismo fiscal'

Mensagem por  em Qui Jan 03, 2013 10:57 pm

A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou na noite desta terça-feira (1º), no horário local, a legislação destinada a anular os efeitos do "abismo fiscal". Com 257 votos a favor e 167 contra, os deputados aprovaram o projeto que mantém cortes de impostos para a classe média e o aumento das taxas sobre os mais ricos.

O acordo já havia sido aprovado pelos senadores na madrugada de terça. O projeto, agora, segue para sanção do presidente Barack Obama. A medida ainda adiou por dois meses os drásticos cortes nos gastos públicos que haviam sido acordados em 2011.

O acordo foi uma clara vitória para o presidente Barack Obama, que foi reeleito com a promessa de resolver problemas econômicos em parte pelo aumento dos impostos sobre os norte-americanos mais ricos. A oposição republicana foi forçada a votar contra um princípio central de sua fé conservadora.

'Sem demora'
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta terça-feira (1º) que a Câmara dos Deputados do país seguisse a liderança do Senado e aprovasse um acordo sobre o "abismo fiscal", a fim de estender os cortes de impostos para a classe média e elevar as taxas sobre os mais ricos.


O presidente dos EUA, Barack Obama, discursa ao lado do vice-presidente Joe Biden, após votação na Câmara dos Deputados para evitar 'abismo fiscal' (Foto: Reuters/Jonathan Ernst )

O presidente dos EUA, Barack Obama, discursa ao lado do vice-presidente Joe Biden, após votação na Câmara dos Deputados para evitar 'abismo fiscal' (Foto: Reuters/Jonathan Ernst )

"Embora nem democratas nem republicanos tenham conseguido tudo o que queriam, este acordo é a coisa certa a se fazer para nosso país e a Câmara deve aprová-lo sem atraso", disse Obama em uma comunicado após o Senado ter aprovado a legislação por ampla maioria. "Há mais trabalho a se fazer para reduzir nossos déficits, e estou disposto a fazê-lo. Mas o acordo desta noite nos garante que, ao ir para frente, vamos continuar a reduzir o déficit através de uma combinação de novos cortes de gastos e novas receitas dos norte-americanos mais ricos", disse Obama.

Acordo aprovado no Senado
O Senado dos Estados Unidos aprovou na madrugada de terça o acordo para evitar o chamado "abismo fiscal". Por uma maioria de 89 votos a 8, a câmara alta do Congresso aprovou algumas horas antes um texto acordado entre a Casa Branca e os republicanos do Senado.

Impasse
A poucas horas do prazo final, democratas e republicanos apresentaram, na segunda-feira (31), uma proposta para evitar o chamado "abismo fiscal", marcado para entrar em vigor à 0h de 1º de janeiro.

O acordo foi "costurado" pelo líder da minoria no Senado, o republicano Mitch McConnel, e o vice-presidente Joe Biden.

O documento prevê que os impostos permaneçam estáveis para a classe média e aumentem para a população que tem renda entre US$ 400 mil, para indivíduos, e US$ 450 mil, para casais. Estes níveis são mais elevados do que o anunciado pelo presidente Barack Obama durante campanha para o segundo mandato -- que era de US$ 250 mil.

Próximos passos
Aprovada pela Câmara, a proposta, agora, será sancionada pelo presidente Barack Obama a fim de evitar o aumento de impostos e grandes cortes de gastos no orçamento federal, estipulados em uma lei de redução do déficit promulgada em agosto de 2011.

Solução temporária
Mesmo aprovada, a proposta não resolve completamente a questão do abismo fiscal, representando apenas uma solução temporária. Isso porque o acordo não traz toda a economia necessária, o que deve fazer com que, em fevereiro, os EUA voltem a se aproximar do seu limite de endividamento, forçando novas negociações.

Apesar do acordo entre os dois partidos, as propostas encontram oposição entre democratas e republicanos. O senador democrata Tom Harkin criticou as concessões feitas pelo partido para conseguir um acordo.

O principal ponto de embate entre os dois partidos era se o correto é estender as atuais taxas para todos, como querem os republicanos, ou apenas para quem ganha de US$ 250 mil a US$ 400 mil anuais, como propuseram os democratas. Os republicanos também exigiam maiores cortes do que os oferecidos pelo presidente Barack Obama.

Entenda o abismo fiscal
O chamado "abismo fiscal" consiste em um aumento automático de impostos e um corte do gasto público, que serão realizados caso não seja modificada a legislação atual. Esse "abismo" é resultado da aprovação pelo Congresso, em 2011, da ampliação do déficit fiscal do país em US$ 2,1 trilhões. À época, o endividamento chegara ao limite de US$ 14,3 trilhões, e o país corria o risco de dar "calote" caso o limite da dívida não fosse elevado. Mas, em troca, a medida exigia chegar a um acordo até o fim de 2012 para cortar US$ 1,2 trilhão em dez anos. Sem isso, o tal “sequestro automático” de gastos que vão impactar programas sociais e de defesa seria ativado.

Sem este acordo aprovado, já nesta terça-feira expirariam as isenções fiscais para a maioria dos contribuintes e, além disso, entrarariam em vigor drásticos cortes no gasto público.


CONSEQUÊNCIAS DO ABISMO FISCAL
Alta do desemprego: de 7,7% (em novembro) para 9% em 2013
Recessão: encolhimento de 0,5% no PIB em 2013
Principais cortes de verbas: programa de saúde do governo, o Medicare; auxílio-desemprego; e orçamento de defesa.
Incentivos tributários à beira de expirar: redução de alíquotas de imposto de renda e desonerações sobre contratações.
Para o Brasil: redução de exportações para os EUA, queda da Bovespa e desvalorização do dólar.

Os impostos de quase todos os contribuintes norte-americanos aumentarão US$ 2.200, segundo a Casa Branca. Os cortes, consequência de um pacto entre democratas e republicanos em 2011, serão sentidos, sobretudo, no orçamento de Defesa e podem derivar em numerosas demissões.

A entrada em vigor do abismo fiscal faria as alíquotas dos impostos para todos os americanos sofrerem uma forte alta, retornando a níveis pré-2001 e, dois dias depois, US$ 109 bilhões em cortes automáticos de gastos começariam a ter efeito. Juntos, os impostos mais altos e os gastos menores retirariam US$ 600 bilhões da economia dos EUA, podendo causar uma nova recessão em 2013.

Fonte : TecMundo


Pontos Pontos : 0
Data de inscrição Data de inscrição : 01/01/1970

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum